abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

domingo, 10 de outubro de 2010

BOM DIA, PROFESSORA!

Muitos versos, muitos cartões, muitas flores, ganhei nesta
data. As flores murcharam! Não me sentia à vontade quando recebia grandes ramalhetes de belas flores. Fenecem. Doía jogar no lixo o buquê ressequido ofertado com carinho. Vendava os olhos do coração.
Preferia receber uma única florzinha, uma singela violeta ou minúscula margarida branca acompanhada do cartão confeccionado num pedaço de folha de caderno com desenhos de coraçõezinhos e o escrito: com A escrevo amizade / com P escrevo paixão / com I escrevo dona Ione / dentro do meu coração. Tenho-os nos meus guardados. A flor era colocada dentro de um livro qualquer.

Viajo no tempo nas asas de uma lembrança bonita, gostosa.
Convivo, outra vez comigo, a professora. E comigo o pó de giz; o cheiro da bergamota descascada às escondidas; as briguinhas pelo pequeno toco de lápis azul, ou pelo naquinho de borracha; a merenda apetitosa (pão de milho caseiro com chimia comum); o choro abafado – o dente ou o ouvido doendo; um caderno rasgado pelo irmão menor ou comido pelo cusco; o nariz escorrendo, limpo na manga do guarda-pó; o cheiro de cabeças suadas após o recreio; os olhos remelentos; os lábios roxos de frio; a tosse comprida; o desarranjo e a corrida à casinha; a bala melequenta ofertada; bilhetes dos pais escritos com letra de primeiro ano, pedindo para largar mais cedo; o vômito e o xixi intrometidos, fora de hora; o dedinho cortado com a gilete; a arte para chamar atenção; o estalado beijo de despedida no final da aula...

Faz-me recordar no encontro da florzinha seca, tênue,
deixada entre páginas de um velho livro. Margarida, violeta, flor-do-trevo, amor-perfeito, flor do mato, sozinha, simplória, nesses meus encontros reflorescem, revigoram, perfumam... Jamais murcharão!

Autora: Ione Jaeger - 15/10/99