abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

A PALAVRA MÁGICA

Nossas crianças frequentam a escola cada vez mais cedo. Não consigo aceitar facilmente esse fato. Fui criado solto no meio da rua até os 7 anos. Hoje, sei de alguns bebês que saem direto do útero para creches ultrasofisticadas para que os pais retomem a vida profissional imediatamente após o parto. Outros monstrinhos precoces, com 2 ou 3 anos de idade, são matriculados em cursinhos de inglês (ou espanhol, alemão, mandarim...) para terem melhores chances no mercado de trabalho, daqui a duas ou três décadas, quando forem competir com seus atuais amiguinhos de chupeta.


Não tenho nada contra colocar filhos na escola, evidentemente. Quero só chamar a atenção para um fato inquestionável: as lições mais importantes da infância não aprendemos na escola, mas na vida, que, no caso desses projetos de gente, significa... em casa. E, como sabemos, o tempo dentro de casa anda escasso.


Hoje, nosso tempo de vida é engolido pelo trânsito nas cidades e também pelo fato de a casa ter se tornado uma extensão do trabalho e do lazer. Repare. Aposto que sua casa anda parecida com uma lan-house ou uma empresa de telemarketing. Os integrantes da família vivem plugados em suas estações de trabalho e de diversão. Confere? Se interessar, estou aqui para sugerir uma forma de virar esse jogo. Antes de tudo, nada de fazer discurso ou dar bronca. Criança aprende com o que você faz, não com o que você fala. Se o seu pequeno gênio de 4 anos está a poucos estágios de zerar o joguinho Angry Birds não adianta simplesmente mandar ele desligar o brinquedo e ir arrumar a bagunça no quarto. Ao longo das últimas décadas, batalhando pela educação de três filhos em épocas diferentes, aprendi uma mágica para convencê-los a se ligar nas coisas do mundo real: a palavra “ajudar”. Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”.

“Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo.

Depois que comecei a praticar o uso da palavra mágica, transformei o ato de lavar o carro ou cuidar do jardim, por exemplo, em um dos momentos mais divertidos e afetivos do final de semana. O ato de cuidar da casa junto com eles gera um efeito multiplicador. As coisas mais banais e entediantes desaparecem e, como num passe de mágica, a conexão da rede familiar se fortalece.

Nos dias que correm – e como correm –, o tempo compartilhado com os filhos é cada vez mais raro e precioso. Acostumadas desde pequeninas a atuar em rede, as novas gerações têm muito a nos ensinar sobre compartilhar. Vamos dar a eles a chance de nos ajudar a fazer as coisas de forma diferente. Pode ser divertido e transformador.

MARCELO TAS