abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

domingo, 19 de fevereiro de 2017

5 permissões que você deve dar a si mesmo quando é maltratado por alguém


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
18 de fev de 2017 20:56

Quando alguém nos trata mal temos três opções: reagir com inteligência, deixar-nos ser afetados, ou reagir com agressividade. Além disso, há algumas permissões que devemos dar a nós mesmos. Não é fácil lidar com estas situações de alta intensidade emocional nas quais se ativam áreas muito concretas de nosso cérebro.

Quando nos tratam de forma pouco respeitosa ou até ameaçadora, no momento tomam o controle as áreas como o córtex pré-frontal, a amígdala, o córtex cingulado anterior e a ínsula. Estas regiões se relacionam com o instinto de sobrevivência e são as que, com frequência, nos fazem reagir com agressividade ou com um comportamento de escape.

Vale a pena gerir estas situações usando a inteligência emocional. Deste modo, quem nos controla não será o medo e nem a raiva. Propomos dar a si mesmo 5 permissões valiosas com as quais reagir da forma mais adequada quando alguém nos trata mal. Estamos certos de que elas poderão ser de grande ajuda.

5 permissões que vale a pena dar a si mesmo

1. Me dou permissão para lembrar quem sou e o que valho

Quando alguém nos trata mal, o faz cruzando os limites do que é permitido. Vulnera nossa autoestima através do desprezo, das palavras agressivas, da humilhação e até do engano.

  • Quando atravessamos estas situações nos sentimos agredidos, porque atacam aquilo que foi tão difícil construir: nossa autoestima e nossa integridade pessoal.
  • Se alguém diz que "você não serve para nada", a última coisa que devemos fazer é ficar irritados e tomados pela cólera.

O primeiro passo é não tomar como uma realidade as opiniões alheias. É preciso lembrar com calma que valemos para muitas coisas: tudo que nos propusermos a fazer. O que alguém diz sobre nós não nos define. Assim, vale a pena racionalizar um pouco estas agressões mantendo o equilíbrio.

2. Me dou permissão para impor limites à sua agressão

Visualize a seguinte imagem: ao seu redor flutua um círculo dourado como se fosse uma boia. É o que permite que você não se afogue em todos os seus entornos: na família, no trabalho, etc.

  • É seu apoio, a força cotidiana com a qual você abre caminho. No entanto, um belo dia aparece alguém que se aproxima demais.
  • Pelas suas costas, a pessoa traz uma agulha afiada que, quase como traição, direciona para a sua boia, a fura e tira o ar.
  • Depois disso, você nota como começa a afundar.
  • Não deixe que isso aconteça: você tem todo o direito de impedir que isso ocorra, de se defender, impor limites entre o que você permite e o que não permite.

É um princípio de saúde mental: se algo ou alguém o incomoda, reaja. Dê a si mesmo as permissões necessárias e não deixe que se aproximem tanto a ponto de machucá-lo.

3. Me dou permissão para falar com assertividade

Quando alguém nos trata mal, as emoções tomam o controle para nos fazer reagir com temor ou com raiva. Estas duas vertentes controlam por completo nossa área racional para nos impedir de falar com valentia e acerto. Em primeiro lugar, é preciso manter a calma. Somente assim poderemos falar com assertividade.

Imagine um palácio, uma sala branca com janelas abertas por onde entra uma luz serena. Entre e respire. Nada do que digam ou façam os demais deve fazer com que você esqueça o que vale e quem é. Uma vez que você perceba que está calmo, fale. Agir com assertividade significa ser capaz de falar com respeito, mas com firmeza, deixando claro o que permitimos e o que não.

Fala sem medo, defenda-se.

4. Eu me dou permissão para deixar de lado quem me trata mal

Quem o trata mal não merece o seu tempo e nem as suas preocupações. Há pessoas especialistas em criar problemas, em espalhar seu mau humor e seu desprezo a quem menos os merecem.

  • Somos conscientes de que, em algumas ocasiões, quem nos trata mal são as pessoas mais próximas de nós: companheiros de trabalho, família, e até nosso parceiro(a).
  • Outra regra essencial de saúde mental é lembrar que quem o trata mal não o respeita, não tem empatia e nem sintoniza com suas emoções.
  • Viver cada dia neste tipo de dinâmica tão tensa quanto destrutiva não é adequado.
  • É necessário refletir sobre isso e tomar uma decisão: dizer com clareza que não podemos permitir estes comportamentos e avisar que, se isso continuar, você irá se distanciar.

Sua saúde emocional deve vir em primeiro lugar.

5. Eu me dou permissão para curar a ferida e ser ainda mais forte

Quem mais nos faz mal nestas situações são as pessoas que temos mais perto de nosso coração. Um parceiro, um irmão, uma mãe, um pai…

Quando alguém que é significativo para nós cruza o limite do permitido e respeitável, são muitas as coisas que "se rompem" em nosso interior.

  • Às vezes não basta impor distância. A marca da decepção está lá e precisamos curá-la.
  • Dê tempo a si mesmo. Você precisa de momentos para você nos quais pode fazer aquilo que mais o alivia: passear, escrever, pintar, viajar, ficar com os amigos.

É possível encontrar consolo e refúgio em muitas coisas, mas o melhor modo de curar feridas é nos rodearmos de pessoas que nos amam de verdade e que, por sua vez, merecem ser amadas.

Assim como há pessoas capazes de trazer tristezas e dias cinza, há aquelas que nos reiniciam. Dê a si mesmo estas permissões e procure-as.

Imagem de capa: Shutterstock/TeodorLazarev

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

O post 5 permissões que você deve dar a si mesmo quando é maltratado por alguém apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.