abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

As escolhas que fazemos


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
21 de fev de 2017 16:56

Da rotina mais banal ao projeto mais caro, decidir surge sempre como imperiosa necessidade e toda decisão pressupõe escolhas. Por isso mesmo, seja para obter benefícios ou minimizar riscos, somos seres condenados a escolhas e sujeitos às suas consequências. Contudo, apesar do alcance das escolhas em nossas vidas, será que, nos momentos decisivos, dedicamos a necessária reflexão para antecipar resultados, projetar opções e saídas para os acidentes de percurso?

Será que não poderíamos nos livrar de decisões negligenciadas ou apressadas que nos trazem mal-estar e arrependimentos? É fato. Não é incomum aligeirarmos escolhas e firmarmos resoluções impulsivas, frutos de ponderação rasa. Seguimos o caminho, esquecidos de que ao decidir, podemos exercitar aspectos superiores da inteligência e extraírmos informações que podem embasar o êxito de etapas futuras.

Naturalmente, nos momentos decisivos somos acometidos por certo nível de ansiedade, mas vale a pena ultrapassar a apreensão inicial e investir no controle mais racional dessas ocasiões. Montaigne, filósofo francês, devotou muito de seu pensamento ao que está envolto nas escolhas humanas. Em um de seus ensaios, ele afirma que o 'espírito indeciso' é, muitas vezes, fruto do hábito de negligenciarmos o papel da reflexão como insumo para escolhas consistentes.

Com o ceticismo próprio de seu estilo irônico, Montaigne certamente exagerava quando dizia: 'Se com idêntica necessidade de beber e comer, um espírito indeciso fosse colocado diante de uma garrafa e um presunto, não teria provavelmente outra solução senão morrer de fome'. Exageros à parte é plausível constatar dificuldades implícitas nas escolhas humanas. Obstáculos que poderiam ser minimizados pela prática da reflexão como condição para embasar momentos decisivos em critérios sólidos.

A ação humana inclui atos e consequências, mas no comum, agimos como se estas não nos alcançassem. Sobre o assunto, é útil lembrar as lições de Bertolt Brecht. O dramaturgo alemão alertava para o fato de que somos nós que pagamos a conta das decisões tomadas, então, segundo ele, é preciso calcular e tirar a prova das situações enfrentadas, sob a pena de prejuízos existenciais de difícil resgate.

Nas decisões refletidas, instala-se um círculo virtuoso que nos ajuda a extrair dados de cada escolha e a crescermos em consciência e preparo. O contrário também é real. Agindo com menor consciência, recaímos em negligência, dissipação de esforço e inteligência. O resultado é sofrermos consequências que não previmos ou não almejávamos. É quase fatal. Quanto mais negligenciamos o que define uma escolha, menor clarividência. E menor clareza leva a escolhas empobrecidas. Entretanto, é possível basear processos decisórios no senso de realidade forjado pelo exame cuidadoso das situações, pois nas esquinas da vida, há sempre uma escolha à espreita.

Imagem de capa: Shutterstock/Sergey Zaykov

O post As escolhas que fazemos apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.