abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Lion - Uma Jornada Para Casa: agora sim temos um filme pensado para ganhar um Oscar


Papo de Homem - É tempo de homens possíveis. Puxe uma cadeira, a casa é sua. – Jader Pires
21 de fev de 2017 04:08

"Baseado em uma história real". É assim que começa o filme de estreia de Garth Davis, um melodrama bonito e duro, uma história de superação e do improvável, a narrativa de como a vida pode ser complicada e triste, ou de como é bom e importante lutar para ultrapassar adversidades.

Link YouTube

Pra catapultar isso, o filme conta com a linda fotografia de Greig Fraser (que fez o último Star Wars, o Rogue One) e o roteiro adaptado por Luke Davies, baseado na autobiografia "A Long Way Home", que mostra a trajetória de Saroo, um garoto indiano que se perde acidentalmente de sua família e vai parar distante de casa, na caótica Calcutá. De lá, depois de um período intenso de confusão e desesperança, ele acaba sendo adotado por um casal de australianos e vai morar na Tasmânia. Essa primeira parte nos é apresentada a vocação prodigiosa no atuar do pequeno ator Sunny Pawar, convincente, de olhar curioso e enérgico. 

Vinte anos depois, Dev Pavel vive um Saroo recém ingressado em um curso de administração de hotéis em Melbourne. Lá ele faz amigos e começa o relacionamento com uma namorada, mas começa nele também uma crescente vontade de descobrir de onde veio, uma culpa por viver em uma nova vida privilegiada sem conseguir avisar seus familiares, a mãe e o irmão Guddu, de que está vivo e bem. Mas como, se o nome da cidade que ele tinha na cabeça não existe?

E tudo gira em torno dessa busca. Silêncios e cenas aéreas do interior da Índia e do litoral australiano, ligações visuais que criam essa conexão entre os dois, lembranças e anseios, fantasmas do passado e do presente, tudo bem sóbrio, belo e leitoso, sem puxar pro colorir exacerbado de Bollywood, referência já bem clichê quando o assunto é o país da Ásia meridional. Lion

é, com o perdão do trocadilho, um caçador de estatuetas do Oscar, um dramalhão, o complexo lidar das relações familiares, um monólogo choroso para a Nicole Kidman concorrer ao papel de melhor atriz coadjuvante.

Tá tudo ali.

Legenda

Mas, para a nossa sorte, não fica só nisso. Lion também trabalha bem a culpa e a obsessão. Pavel consegue empregar em Saroo ao mesmo tempo carisma no sorriso e egoísmo nos olhos, a sensação de ser grato e emputecido com os pais, da carência e de todas as atitudes de afastamentos com a companheira. É tudo mais complexo do que parece.

 E daí ficamos nisso, com uma boa película, mas que sofre certa quebra de imersão nessa aberta tentativa de agradar a academia (tanto deu certo que o filme está indicado em seis categorias).

Nem tudo são flores. Mas nem tudo está perdido.