abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

“Não me lembro de ter lido em Cinderela que o príncipe a humilhava.”


CONTI outra – Lucy Rocha
28 de fev de 2017 14:25

Quem não sonhou e reforçou sua crença no amor ao ver o filme Pretty Woman? Uma garota de programa que é arrebatada pelo amor de um homem rico, que a leva para viver o conto de fadas para sempre.

Na vida real, as coisas começaram como num lindo conto, mas seu desenrolar foi bem diferente. De repente, em tempo recorde, a vida de moça pobre interiorana, que tenta a vida fazendo programas na cidade grande, é bombardeada com tudo o que sempre sonhou. É um sonho feito de viagens internacionais, casamento perfeito, luxo e família. Ela mal pode acreditar que teve tamanha sorte. Finalmente a vida lhe sorriu.

Ela sabe que ele era assíduo frequentador de prostíbulos, mas agora que ela chegou, vai ser diferente, ele não precisa mais disso. Ela sabe que ele largou a mulher com um bebê pequeno para estar com ela, mas ele lhe diz que com ela é amor de verdade e, portanto, com ela não vai acontecer.

Ela ouve relatos da boca do próprio marido de que ele teria agredido e tentado matar a ex mulher, mas acredita que com ela isso não vai acontecer, afinal, ele a "ama de verdade" e a outra, ele diz "nunca ter amado de verdade". A ex tinha muitos defeitos, mas ela é perfeita.

Ela sabe que seu passado pode pesar, mas ele diz que isso não importa, que o amor deles é maior e conserta tudo. Basta que "ela seja só dele".

Daí chega o bebê e, junto com ele, vem a fase de desvalorização. E vem com força. As agressões verbais, as humilhações, o passado esfregado na cara sem piedade, usado reiteradas vezes para justificar seu tratamento degradante, as ameaças de tirar-lhe a filha e mandá-la de volta ao "puteiro de onde a tirou". "Quem vai acreditar numa puta?"

Ele despreza sua família, os chama de pobres e vagabundos. Ela não conta nada, não quer que saibam como ele é de verdade, finge felicidade constante, ninguém imagina o que passa.

Ela não raciocina mais, se desespera, quer seu príncipe de volta, não sabe "o que fez de errado" e porque ele "mudou". O que eça não sabe é que ele não mudou, está apenas repetindo o ciclo pelo qual ela mesma passou, pois é nele que encontra seu gozo.

Ela fareja seus comportamentos, sabe que ele voltou (ou talvez nunca tenha deixado) à rotina dos prostíbulos. Mais tarde, no computador dele, peritos identificariam acessos a sites de prostituição.

Ela, então intui, incrédula, que o ciclo está se repetindo com um novo alvo. Ela sabe de como aquele homem gosta de exercer poder sobre mulheres em busca do sonho. Ele sabe que buscá-las num prostíbulo é um modo fácil de tê-las nas mãos. Dar de presente o sonho e depois controlar e desvalorizar alguém com um passado comprometedor não é tarefa difícil.

Ela sente se aproximar o momento em que será descartada, posta no lixo como a ex com um filho pequeno. Sim, será substituída. A dor dilacerante a consome, a culpa por ter sido a outra lhe faz repetir, "talvez eu mereça isso".

Aquele constante "talvez eu devesse me esforçar mais" reforça a ideia de que poderia ter feito melhor para não afastar o homem que um dia tirou seus pés do chão. "Nunca vou conseguir brigar pela guarda de minha filha com alguém na posição dele" reforça o medo de se mover para fora da relação.

Ela o confronta, quer a verdade. Recebe insultos, ameaças e a mentira. "Você está louca, está imaginando coisas."

Consumida pelo desejo de ter seu sonho do começo de volta, pede a um detetive que traga provas do que ela já tem certeza, de modo a deixá-lo sem saída. "Quem sabe com tudo às claras, as coisas se acertam?"

Ela o confronta de novo, mas agora tem provas. Tudo igual. O dinheiro, os presentes, as promessas o pedido de exclusividade. Como foi com ela… bem ela, que pensou que seria a única e para sempre…

Ela o expõe, mas não sabe que expô-lo com a verdade irrefutável provoca a fúria narcísica em homens abusadores: "Como ousa me expor usando meu próprio dinheiro!"

Ele "se sente traído" e a agride. Mas a reação vem. E agora?
Sabemos o desfecho e também sabemos qual é a opinião pública a respeito dessa mulher que, olhando de fora, é uma assassina cruel, mas olhando de dentro, já não temos tanta certeza assim.

Sabemos que, para a família que perdeu um ente querido, talvez haja somente a obrigação de lidar com a dor da perda e não aquela de buscar a fundo o que de fato ocorria e ocorreu. Quando perdemos alguém que amamos, não nos questionamos se é alguém bom ou mau, desejamos justiça. É compreensível, me compadeço de cada familiar que, seja como for, amou aquela pessoa.

Mas sabemos também que, talvez, o número de feridas no corpo daquela mulher não seja visível para a opinião pública a ponto de fazer-nos entender o que a levou a se defender e, em seguida, cometer um ato tão extremo.

Contudo, vale o questionamento:
Quantos de nós, com um passado reprovável e diante da constatação de ter matado alguém "poderoso", ainda que em legítima defesa e numa reação hiper vigilante à agressão, não se desesperariam com medo de ninguém acreditar? Afinal era a versão de "uma ex puta" sobre a vida de um grande empresário. Quem não pensaria, tomado pelo desespero, em esconder o corpo? Não sei, mas posso intuir que muitos, naquela situação, teriam tido os mesmos medos e as mesmas reações.

Talvez, as cicatrizes no corpo dessa mulher não sejam visíveis ao público comum, e por comum, entenda-se pessoas que jamais foram submetidas a violência psicológica diária. Pessoas que não sabem o que é ter a sensação de impotência e pequenez diante de gente poderosa, manipuladora e perversa que com sua língua afiada, nos faz encolher até atingirmos dois centímetros de altura.

Mestres ilusionistas que parecem irretocáveis a todos, mas que na intimidade, são déspotas cruéis, sem compaixão, empatia ou escrúpulos. Talvez, essas cicatrizes não sejam visíveis aos olhos de quem nunca sentiu a dor das feridas INCURÁVEIS que a violência emocional e psicológica abre em suas vítimas.

Talvez, se no momento em que apertou o gatilho, ela estivesse toda machucada, com ossos quebrados, cicatrizes velhas e novas, com sangue escorrendo no rosto, a veríamos de outra forma. O que nós talvez não saibamos é que ela estava, de fato, toda machucada, assim como tantos leitores dessa página estão nesse momento, desejando acabar com a própria vida, tamanha a dor que sentem diariamente, e que ninguém vê, ninguém acredita, ninguém entende.

Talvez o reconhecimento da legítima defesa nesse caso fosse um marco no combate à violência psicológica que assola a humanidade desde sempre e aniquila a vida, em especial, de mulheres amedrontadas e reféns de um ideal romântico do qual não querem abrir mão, tolerando abuso de todo tipo por toda a vida.

Um marco, não só pela representatividade do caso, mas pela mensagem que, não importa quem você seja, além do tapa que você dá com facilidade, sua violência psicológica é crime; é uma dura agressão à integridade do outro e contra ela, é lícito se defender.

Essa violência velada, insidiosa, que quase sempre culmina em tragédias em desfavor das vítimas e não dos agressores e para a qual até hoje não encontramos um modo de freia-la, vez que não conseguimos enxergá-la ou explicá-la facilmente.

"Falam que o conto de fadas acabou. Pergunto: Qual conto de fadas? Não me lembro de ter lido em 'Cinderela' que o príncipe a humilhava. Não me lembro de ter lido que o príncipe tirou a princesa do lixo e que ela deveria, por conta disso, ser submissa às suas vontades pervertidas e humilhantes porque se tornara sua esposa" (Elize Matsunaga)

Hesitei por muito tempo em escrever a respeito. Tempo demais, não vou mais me calar. Sim, muitos discordarão dessa minha opinião, mas eu tenho direito a ela, compartilho com meus leitores e peço respeito daqueles que pensam de forma diversa.

Sim, eu sei que haverá quem leia duas frases do texto, distorça tudo e diga: Você está justificando a violência? A essas respondo: Não, estou discorrendo sobre a necessidade de começarmos a enxergar a violência verbal, emocional e psicológica como algo grave que deve ser levado à sério e desestimulado a todo custo, pois é o prenúncio da violência física que faz os números do feminicídio atingirem índices alarmantes em todo o mundo.

Aproveito a oportunidade para convidar aqueles que discordam, a ler um pequeno trecho do que era a vida com aquele homem e o que essas coisas têm em comum com as relações tóxicas, para, só depois, tirarem suas próprias conclusões.

Sou Lucy Rocha, advogada, coach e vítima de violência psicológica, emocional e física.

******

TRECHO DE REPORTAGEM A RESPEITO DO SEGUNDO DIA DE JULGAMENTO DE ELIZE MATSUNAGA.

"Após resistir a detalhar os xingamentos, Dias (o delegado chamado a testemunhar) elencou as ofensas a pedido da advogada de defesa Roselle Soglio. O delegado disse que o empresário chamava a mulher de "prostituta de quinta categoria", "vagabunda", "p***", que "ela só servia para abrir as pernas" e que "o que ele queria dela era um filho". O casal teve uma menina um ano antes do crime. Outras ofensas eram dirigidas a Elize pelo marido, disse o delegado, mas sobre o pai dela – hoje falecido. "Ele chamava o pai dela de vagabundo e dizia que não queria a filha deles criada por esse tipo de gente". (DEGRADAÇÃO DA IDENTIDADE, AUTOESTIMA E DIGNIDADE)

O delegado afirmou que o clima entre o casal "estava péssimo" antes do crime, uma vez que Elize desconfiava de relações extraconjugais do marido e teria confirmado ao menos uma delas por meio de um detetive, contratado dias antes do crime. O detetive Willian Coelho de Oliveira depôs ontem pela acusação e relatou ter presenciado o marido da ré com uma mulher, em um bar e em um restaurante, como se fossem namorados.(PROMISCUIDADE CONTUMAZ)

Hoje, no depoimento, Dias afirmou que a amante era garota de programa de um mesmo site de relacionamentos por meio do qual Matsunaga conhecera Elize. Segundo o policial, em depoimento após o crime, ela afirmou que o empresário a presenteara com um veículo Pajero blindado e a pagava com R$ 27 mil mensais -o acordo era que ele tivesse "exclusividade" e que ela retirasse suas fotos do site de relacionamentos.(REPETIÇÃO DO CICLO FEITO COM ELIZE)

Elize chorou em vários momentos e teve de ser amparada.(DOLOROSO CONSTATAR E RECONSTATAR A VIOLÊNCIA SOFRIDA)

Indagado pelo advogado de defesa Luciano Santoro se Elize sofreria insultos do marido – como ela já havia dito à polícia-, o delegado admitiu que sim, mas não quis declinar os termos porque, segundo ele havia "mulheres no plenário". Além da plateia, composta por advogados e estudantes de direito, havia mulheres também nas equipes de acusação e defesa, entre os profissionais de imprensa e entre os jurados, nos quais quatro são mulheres, e três, homens. Ele só detalhou quando Soglio, lembrando-o que ele estava sob juramento. (XINGAMENTOS TÃO PESADOS QUE CONSTRANGEM)

Abordado pelo promotor, José Carlos Cosenzo, sobre a fonte dessas informações, o delegado informou que elas partiram não apenas da ré confessa, como de duas funcionárias da residência do casal que também prestaram depoimento.(TESTEMUNHAS QUE VIVIAM NA INTIMIDADE DO CASAL)

Sobre o casal, o policial disse que, durante as investigações, descobriu que Elize e Matsunaga seriam bons atiradores, já que ambos eram praticantes de caça esportiva – chegaram a ir à África com esse propósito antes da crise conjugal. Dentro da casa, após o crime, os policiais localizaram um bunker com toda sorte de armas. "Havia desde revólveres antigos, de colecionador, até fuzis de última geração. Ele [a vítima] cuidava dessas armas como cuidava de um filho", definiu. O empresário foi morto com um tiro de um revólver Magnum 357, mas o MP alega que ele foi esquartejado ainda vivo – o que a defesa refuta. (COLECIONISMO, OBSESSÃO POR ARMAS, CUIDADOS COM COISAS MAIOR DO QUE COM PESSOAS)

A testemunha relatou ainda ter ouvido no inquérito policial depoimento de um reverendo que era uma espécie de conselheiro do casal. De acordo com ele, esse religioso teria alertado Matsunaga sobre a necessidade de tratamento psiquiátrico de Elize, porque ela estaria "psiquicamente descompensada". (GASLIGHTING, RECRUTAMENTO DE POSSIBILITADORES E FLYING MONKEYS COM A ALEGAÇÃO DE QUE A PESSOA É DESEQUILIBRADA)
******
….enfim, pontos demais em comum com qualquer relação abusiva e que, para o nosso próprio bem, tais pontos não devem ser ignorados. Presto minhas condolências à família, mas espero que a justiça seja feita.

The post "Não me lembro de ter lido em Cinderela que o príncipe a humilhava." appeared first on CONTI outra.