abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O fim é sempre um novo começo…


Ju Farias
22 de fev de 2017 05:23

O fim é o começo. O começo de um nojo jeito de ver o amor…

Todo fim é um bom motivo para recomeçar, independente do sofrimento que isso implique. Um término de relacionamento, seja ele qual for, é doloroso, corta fundo, machuca, deixa marcas, mas é necessário para que algo maior aconteça.

É óbvio que a gente só entende isso quando a ferida cicatriza e o peito para de queimar no fogo da desilusão. Antes, e durante algum tempo depois, somos tomados por uma coisa que chamo de patologia da cegueira louca-emocional.

Inventei esse termo logo após o fim de um namoro que me rendeu dores absurdas na cabeça, uma gastrite mais do que nervosa, além de uma dificuldade incontrolável de ler o último capítulo de um livro já destruído pelo tempo.

Acho que tinha uns 22 anos, um pouco menos do que isso, menina imatura e completamente verde nesse negócio que a gente chama de amor, mas que só é amor mesmo quando entendemos que compartilhá-lo é coisa de "adulto", não estou falando só de idade, ok?

É que a criança faz isso naturalmente, sem esforço, sem ceder o espaço do seu sonho para que o sonho do outro fique confortável. A gente quando "cresce" desaprende um pouco sobre amar incondicionalmente e acaba fazendo cálculos o tempo todo, ficando pequenino para que o parceiro se sinta maior, deixando os gostos para lá e os desgostos para cá.

As relações ganham uma conotação mais comercial e é assim mesmo que acontece. Como dizia minha avó: "são os labirintos da vida".

Voltando ao fim, que também é um grande labirinto da vida, precisamos ter resiliência para aceitar que certos amores terminam e pronto.

Acho que necessitamos mais ainda de compaixão para que esses ex-amores continuem vivos em um lugar espacial da nossa memória, pois eles foram essenciais para que todos nós chegássemos aqui hoje.

O ex-amor é a ligação mais saudável que temos com um passado recente (ou nem tanto), mas que deve ser visto e entendido como um poço nada raso de puro aprendizado. O fim é o começo. O começo de um nojo jeito de ver o amor, de uma nova forma de fazer o amor acontecer e uma chance imperdível para não repetir o que deu errado.

Se o meu casamento acabou, e os casamentos acabam antes mesmo das pessoas perceberem, preciso de um tempo para sofrer o luto, e enterrar o coração no juramento de que nunca mais ele será de alguém (atire a primeira pedra quem nunca prometeu isso).

Durante o luto é evidente que estaremos sofrendo da patologia da cegueira louca-emocional e, muito possivelmente, nada parecerá resolver a dor da despedida, que sempre chega para uma das partes antes do tempo previsto pelo outro.

E é aquele sofrimento danado, aquela choradeira, aquele caos interno – que reflete no externo – e tudo vira uma grande tragédia. É nessa fase que o amor perde a cor, fica cinza e com gosto amargo do "nunca mais seremos felizes para sempre".

Porém, em um domingo sombrio de setembro, você resolve colocar a carcaça para fora de casa e dá de cara com a oportunidade cruzando a esquina da padaria. Ou da farmácia, ou da baladinha, ou do restaurante, ou na esquina de qualquer outro lugar.

E o que era o fim dos tempos vira uma nova primavera.

E você percebe que as flores já tomam seus lugares nas árvores, que o dia parece mais bonito e que a síndica chata do seu prédio não é tão ruim assim.

E a lacuna vazia vai sendo preenchida pela música brega que você nem conseguia mais escutar, aquela que fala de se apaixonar, de amar, de casar, ter dois filhos e um cachorro. Aquela do edredom, do filme bom no frio de agosto, sabe?

E o ex-amor, que era o motivo da dor absoluta, muda de cor, vira passado. Vira o que já passou. Vira, vira, virou. E uma nova pessoa, cheia de belezas infinitas, joga a flecha do cupido bem no meio do seu coração.

Não adianta, o amor sempre acha um jeito de chegar de novo. E a gente tem é que agradecer a chance de nunca deixar de amar, ainda que as pausas nos encham de farpas e fiapos. Vamos retirando os espinhos aos poucos, permitindo que o novo se aprochegue com jeitinho no melhor cantinho do nosso peito.

O fim é sempre o começo. E começar de novo qualquer coisa é a prova mais bonita de que estamos vivinhos da silva. E de que estamos quase sempre prontos para mais uma viagem inesquecível para a lua.

The post O fim é sempre um novo começo… appeared first on .