abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sobre traumas amorosos


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
20 de fev de 2017 16:45

Por Poliane Teixeira

Todo mundo conhece aquele trecho clássico da música: "levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima", certo? E foi o que eu fiz, ou é pelo menos o que venho tentando fazer. Vou explicar melhor nos próximos parágrafos.

Meus amigos brincam comigo e falam que eu sou a louca dos relacionamentos sérios, porque eu logo saio de um, falo que nunca mais vou namorar na vida, que vida de solteira é bem melhor mas dalí um mês conheço meu futuro próximo namorado e em pouco tempo já estou namorando de novo. Mas dessa vez não! É angustiante, dói no fundo da alma, faz aquele nó na garganta todas às vezes em que tenho que encarar essa realidade:

Após um término de um relacionamento em que a gente amou por dois, planejou sair de casa, escolheu os nomes dos filhos e se anulou acreditando fielmente que a felicidade do outro era mais importante que a nossa própria, e esqueceu completamente do tal do amor próprio também.

Depois de tudo isso, tem sido muito difícil pra mim. Eu (re)conheci uma pessoa incrível, um amigo antigo, que tem sido um ótimo companheiro, daqueles que têm prazer em te contar uma piada boba só pra te arrancar um sorriso, é o tipo de parceiro que faz questão de saber das suas crises depressivas, porque quer estar ao seu lado pra te ajudar a sair delas – totalmente o oposto ao meu ex namorado que me abandonava em todas elas, afinal, dizia que minha carga emocional era pesada demais para ele suportar.

Enfim, eu sei quem são pessoas completamente opostas! Não são parecidos sequer fisicamente, não possuem os mesmos gostos em nada!E eu tenho plena consciência de que não há mais mais amor ou carinho pelo meu ex, mas simplesmente a relação me destruiu tanto, num nível tão desgastante que eu cheguei num ponto em que ao invés de querer receber carinho, atenção e cumplicidade de outra pessoa adorável eu penso em fugir, correr pra bem longe, porque eu tive e tenho medo de sentir toda aquela dor do meu antigo relacionamento de volta. Tenho medo de me sentir abandonada de novo quando mais necessitar, tenho medo de ser chamada de louca e controladora pelo simples fato de querer saber se a pessoa está bem ou viva.

Mas se assim como eu, você também estiver machucado (a) mas também estiver tendo a chance de re-amar, vá! Eu tô indo, levantando e sacudindo a poeira. Vivendo um dia de cada vez. Esse trauma pra mim ainda é uma ferida em aberto, mas uma hora feridas cicatrizam e no final fica só a marca bem leve pra gente não esquecer totalmente do que aconteceu, e também não nos permitir machucar o mesmo lugar novamente.

Imagem de capa: Shutterstock/ViChizh

TEXTO ORIGINAL DE OBVIOUS

O post Sobre traumas amorosos apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.