abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

segunda-feira, 6 de março de 2017

A Culinária como Forma de Terapia… – A minha cozinha é um local sagrado!



Cozinhar como Forma de Terapia…

Não sei bem se uma coisa tem a ver com a outra, mas ao tornar-me vegana a minha maneira de cozinhar e ver os alimentos mudou completamente. Aliás, eu passei a saber cozinhar, porque eu não fazia absolutamente nada antes de decidir aprender.

Nunca tive grande interesse em ver a minha mãe preparar a comida todo o santo dia, nem imaginava como é que ela tinha tanta criatividade para fazer coisas novas todas as vezes.

Ao sair de casa dos meus pais, cedi ao impulso a que os supermercados nos levam, o de aquecer refeições prontas. Fui viver para casa do meu namorado e até ele já fazia sempre assim, por isso pensei: porque não? Não sei fazer nada, por isso mais vale comer algo que gosto e já está feito do que falhar todas as tentativas e passar fome.

Costumo ler sobre vários assuntos e comecei a ler também sobre nutrição. Ao longo do tempo, fui vendo vários documentários e lendo vários estudos sobre alimentação, e cheguei à conclusão que o que estava a fazer a mim mesma era prejudicial para o meu corpo e até para o meu humor.

O que está à venda nas grandes superfícies é estrategicamente colocado e embalado para apelar aos nossos maiores vícios e dar-nos a ilusão de que não temos tempo para cozinhar e que as marcas conceberam a solução mágica numa caixinha.

Mas eu já estava acordada, e não ia cair mais na armadilha. Fui mudando, aos poucos claro. Ia experimentando receitas diferentes, e admito que falhei redondamente em 90% do que tentei. Não sabia nem cozer direito o arroz – achava que era um caso perdido.

Mas de tanto tentar, nem notei que já tinha conseguido aprender o básico. Entretanto decidi "converter-me" ao veganismo.

No início parecia um desafio cozinhar sozinha, mas fui ganhando mais amor por cuidar de mim e melhorar um passo de cada vez. Ganhei uma paixão pela comida, pela nutrição que nunca tinha tido antes.

A minha cozinha é um local quase sagrado. Tenho sempre frutas e legumes frescos comprados nos mercados locais ou trazidos pela vizinha que tem a mais no quintal, e as especiarias nos vidrinhos são como pós mágicos que transformam qualquer prato.

Logo que acordo, dou importância àquilo que consumo, e que seja saboroso e ao mesmo tempo saudável. Sinto muito mais energia e um humor muito melhor, mas tenho a certeza que não se deve só à minha alimentação.

Eu decidi, há muito tempo atrás, que ia só escolher e fazer aquilo que me faz mais feliz. E começou por dentro, pela minha maneira de pensar e sentir. Mudei a maneira como via a vida e a mim mesma, e isso deu-me vontade de ter amor por cada atividade que faço.

Quando cozinho, é uma forma de terapia, porque me relembro do quanto me amo e ao meu corpo, e o quão extraordinário é que a Terra nos proporciona com toda a medicina que precisamos, não só para sobreviver, mas para viver com qualidade.

Estou em silêncio e a sós, e naquele momento fico imersa nas cores, cheiros, texturas e sabores que me rodeiam e isso é o melhor ritual de autocuidado que podemos ter.

The post A Culinária como Forma de Terapia… – A minha cozinha é um local sagrado! appeared first on .