abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 28 de março de 2017

Das coisas que não dizemos; e nunca mais diremos…


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
24 de mar de 2017 18:12

Por Carla Gameiro Dias

Ela saiu de casa brigada com o irmão… ele bateu o telefone na cara dela… ele estava muito ocupado para atender a ligação do filho… ela disse adeus querendo que ele pedisse que ela ficasse, mas ele abriu a porta e a mandou embora… ele bateu a porta do carro e a mandou para o inferno, sem lhe dar a chance de uma única explicação… ele não deu atenção a ligação da mãe já idosa… ela não pode atender a irmã, pois estava em reunião importante…

Cansados? Algumas dessas situações podem lhes parecer "fictícias" demais, "oníricas", poéticas demais, mas elas acontecem, diariamente; enquanto estamos aqui, eu e vocês, muitos seres estão vivendo cenas tais quais as descritas, e/ou outras tantas muito parecidas, quiçá, mais intensas do que as aqui relatadas. O curioso destas situações é que um dos sujeitos sempre fica à "deriva", como que "perdido" diante da reação do outro; "eu só queria dizer uma coisinha…" O trágico destas situações é que em alguns casos, essa "coisinha" nunca mais será dita… Por que?

A mãe idosa, estava "instintivamente" ligando para se "despedir"… o filho ansioso queria "apenas" contar que acabara de ganhar seu 1º prêmio de Matemática… a irmã só precisava de uma palavra da sua "grande" parceira, pois acabara de perder o bebê… o irmão com quem ela havia brigado, ela nunca mais veria, pois, sofreu um acidente a caminho do trabalho… a ligação dela era para dizer que iria se casar, mas que se ele pedisse ela jogaria tudo para o alto… ela realmente foi para o inferno, poucas quadras depois de sair do carro dele…

Que tipo de sensação nos invade quando pensamos que isso poderia ocorrer conosco? Seria isto apenas uma historinha triste, um belo prefácio para livro, um script para um longa dramático?

Quantos amores desperdiçados…quantos laços perdidos…quantas amizades desfeitas…quantas vidas marcadas… Como fico com tantas, ou mesmo poucas, mas necessárias "coisas" que deveria ter dito e simplesmente não disse? E a desculpa que eu "precisava" ter pedido, não por causa do outro, mas "por mim", para minha "libertação", e que agora não mais poderei?

E o "eu te amo" não dito por "orgulho" ou por "medo", que não direi, porque um outro alguém o fez… O mais doloroso é que minhas palavras não ditas, me atormentam, me consomem, me angustiam…

Eu as transformei em "raiva", em "amargura", em "rancor", e com elas conviverei, sei lá por quanto tempo. E o que é ainda pior, tudo que não foi dito, tudo que não foi "esclarecido", um dia volta, um dia "retorna", por mais que eu queria "esconder" e fingir sua "inexistência"; todas aquelas palavras "engolidas" sem digerir, "um dia voltam"…

Que não me falte a coragem do encontro com minhas palavras, e que elas jamais me engasguem, no momento de "libertá-las", por mais dolorosas que possam parecer; pois, prefiro a dor momentânea da "soltura", ao sofrimento de um eterno e escravo silêncio mórbido…

Imagem de capa: Shutterstock/Liz Cooper

TEXTO ORIGINAL DE OBVIOUS

O post Das coisas que não dizemos; e nunca mais diremos… apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.