abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 14 de março de 2017

Do egoísmo ao amor próprio segundo Aristóteles


A mente é maravilhosa – Daniela Corcuera
14 de mar de 2017 07:21

Certa vez Aristóteles disse "alguém perguntou se é melhor amar a si mesmo com preferência sobre todo o resto ou se vale mais a pena amar o outro". Este sábio filósofo grego postulou uma visão singular do egoísmo e da sua íntima relação com o amor próprio. Vamos conhecer um pouco mais sobre a sua dedução singular?

Antes de continuar, esclareço que vamos focar na sua célebre obra "Ética a Nicômaco". Para ser mais exato, iremos diretamente ao Capítulo VIII do livro nono, intitulado "Do egoísmo ao amor próprio".

O amor por si mesmo segundo Aristóteles

Ao longo deste capítulo da extensa obra de Aristóteles, o filósofo desmistifica com uma linha dedutiva o que ele considera que deve ser um homem virtuoso. Neste trabalho, o autor foca a comparação do amor para consigo mesmo e o egoísmo.

amor-proprio

Este filósofo considera que os fatos reais contradizem as teorias de egoísmo. Embora seja verdade que amar o melhor amigo é um virtude, também supõe que nós mesmos somos os melhores amigos que podemos ter. Isto é, você mesmo é seu melhor amigo. Então vem a pergunta: é egoísta amar a si mesmo? Como é lógico, o mais estreito relacionamento que se pode ter na vida é consigo mesmo. No fim das contas, com quem vivemos durante as 24h do dia e quem temos que suportar seja qual for o seu humor?

Os dois tipos de egoísmo que estipula Aristóteles

Uma vez que o filósofo estabelece os preceitos do amor próprio, se lança à explicação dos dois sentidos que encontra no egoísmo. Embora considere que o termo tem uma vertente pejorativa e vergonhosa, também supõe que existe uma variável muito mais elevada.

O primeiro tipo de egoísmo que Aristóteles apresenta foca no amor pelo terreno. O filósofo iguala esta forma de agir à do povo, isto é, à da maioria, que ele chama de vulgo. Sem dúvida, isto é resultado de uma sociedade excessivamente classista como a da antiga Grécia.

Neste caso, Aristóteles identifica este primeiro tipo de egoísmo como a mais viva ansiedade pelos prazeres corporais. Isto é, estas pessoas guardam para si mesmas as maiores riquezas, honras e bens. Têm verdadeira devoção por acumular aquilo que é material, quanto mais precioso melhor. Isto é, o seu único fim é satisfazer os seus desejos e paixões, o que considera que é ouvir a parte mais irracional da alma. Ele o observa como um costume vulgar, deplorável e muito generalizado. Como tal, seria uma atitude censurável.

"Chamamos de egoístas aquelas pessoas que atribuem a si mesmas a melhor parte nas riquezas, nas honras, nos prazeres corporais, porque o vulgo sente a mais viva ansiedade por tudo isso."
-Aristóteles-

Mas logo o filósofo clássico estima que aqueles homens que se guiam pelas mais elevadas cotas de justiça e sabedoria também são egoístas. Contudo, são pessoas que procuram a virtude, as boas obras e a beleza. Ele não encontra nada censurável nessa atitude.

O egoísmo dá passagem ao amor próprio

Continuamos falando deste segundo tipo de egoísmo que Aristóteles considera. Como não chamar de egoísta uma pessoa entregue de corpo e alma à busca da sabedoria, justiça e beleza? Também precisam satisfazer suas necessidades próprias, e este é seu único fim na vida.

homem-ganancioso

Contudo, o filósofo atribui a estes seres grande valor. Isto é, considera o homem de bem o mais egoísta de todos. Mas este egoísmo não é grosseiro, e sim nobre. Não é vulgar, pois é a razão que o domina. Nunca será a paixão, como acontece no caso anteriormente mencionado, somente baseado no aspecto material.

Segundo Aristóteles, estes homens nobres mas egoístas focam seus esforços em praticar a virtude, pois é nela que encontram regozijo. E esta atitude acaba enriquecendo toda a comunidade. É assim que encontram tanto o deleite pessoal como o serviço aos outros.

Para o filósofo grego, a virtude é o mais elevado de todos os bens que é possível possuir. Então, enquanto o homem virtuoso faz o que deve fazer e opera com inteligência e razão, o homem mau o faz com discórdia profunda entre o seu dever e o que realmente faz.

"O homem virtuoso fará muitas coisas em prol dos seus amigos e da sua pátria."
-Aristóteles-

Conclusão

Podemos concluir que Aristóteles considera o homem bom e nobre como egoísta. Mas da sua virtude e atitude correta surgem ganhos dos quais se aproveitam seus amigos, sua pátria e a sua própria comunidade. É uma pessoa comprometida que despreza a riqueza material, mas goza do benefício da honra e da dignidade.

Para uma pessoa como Aristóteles, o homem reto prefere desfrutar de um segundo de prazer do que de uma vida indigna. É generoso e se sacrifica quando necessário. Será capaz de abandonar tudo por quem precisa. Não terá problema em ceder a glória de um ato a outra pessoa. Isto é, trata-se de alguém que sabe ser egoísta e, ao mesmo tempo, um ser com elevado amor próprio.

The post Do egoísmo ao amor próprio segundo Aristóteles appeared first on A mente é maravilhosa.