abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 7 de março de 2017

“Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas. Por um triz não sou uma bruxa”.



"Bruxas, bruxas, bruxas…"

A roupa preta, o nariz pontudo, a verruga no canto da bochecha, a vassoura usada como instrumento de locomoção, o caldeirão que faz poções mágicas, a risada maquiavélica, a maçã envenenada na palma da mão, os olhos esbugalhados, já não pertencem mais a nós, bruxas modernas.

Estamos em outro patamar. Trocamos a roupa tradicionalmente preta, por aquela que faz com que nos sintamos bem. Seja ela, a cor que for. Não precisa estar na moda e atender dicas de tendências, criadas ou copiadas de revistas como a Vogue.

Nosso nariz, também descaracteriza os contos do outrora, primamos pela verdade do que a mentira, que fazia com que o nariz daquele outro personagem infantil, crescesse a cada inverdade falada. A verruga no canto da boca, a mancha na pele, o sinal de nascença, o redemoinho no cabelo, tiramos de letra, são características únicas, que nos diferem dos demais.

Sabemos que a perfeição não está em nossa estética, mas no que somos de verdade, está em nossa essência. Não precisamos de vassouras para nos teletransportamos. Somos donas de nossas vidas e exercitamos com maestria o direito de "ir e vir", quando e da forma que desejarmos. E, para que conquistemos a independência e maturidade que nos permita isso, não é necessário que puxemos o tapete de ninguém. Somos bem mais nós. E, os outros, que sejam mais eles.

E se ser assim é ser bruxa, que não sejamos uma vez só, que sejamos pura redundância: bruxas, bruxas, bruxas.

Não precisamos de caldeirões e nem de poções mágicas, nem mandingas e qualquer outra prática que tenha por objetivo o mal do próximo. Somos energia boa, que agrega, que atrai positividade.

A prática do mal, é característica de pessoas pequenas. Mulher de verdade, quer e semeia o bem. Não tem medo da concorrência, seja ela, qual for. O que vem contra nós, bate e volta. A nossa risada, não tem nada de maquiavélica, é verdadeira. E isso, incomoda mais do que é possível pensar. A felicidade do outro, dói no infeliz. E não me refiro do sorriso amarelo, forçado, bege e morno. Aquele sorriso por interesse. Refiro-me a sorrir, até a barriga doer, entre amigos sinceros, não em momentos vivenciados ao lado de pessoas que só estamos ao lado, por convenções ou benefício próprio.

E, se for para deixar a pele enrugada, que assim seja. Trocamos qualquer peeling do mundo, por marcas de expressão que denunciam a vivência plena. A maçã, não recusamos. Comemos o que for, da buchada ao caviar. Não temos frescura. Preferimos as consequências da balança, do que as privações de dietas malucas.

Nossos olhos, vez ou outra, ficam sim esbugalhados. Somos intensas. Se sorrimos, gargalhamos. Se choramos, soluçamos. Conosco, não tem essa de meio-termo.

Por fim, que não joguem a nós em fogueiras. Que não nos rotulem como no passado. Que não nos definam enquanto estamos em processo de construção, buscando, diariamente, nossa autodefinição.

Como tão bem escreveu Martha Medeiros: "Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas. Por um triz não sou uma bruxa".

E se ser assim é ser bruxa, que não sejamos uma vez só, que sejamos pura redundância: bruxas, bruxas, bruxas.

The post "Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas. Por um triz não sou uma bruxa". appeared first on .