abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

terça-feira, 7 de março de 2017

Os números da depressão e da ansiedade no Brasil e no mundo


Papo de Homem - É tempo de homens possíveis. Puxe uma cadeira, a casa é sua. – Nexo Jornal
6 de mar de 2017 21:23

Nota da edição: Oi, pessoal. Aqui é o Breno, editor do PapodeHomem.

Vocês viram que o PdH está com projeto editorial novo a partir de hoje? Se não viram, por favor vejam, mas independente disso quero aproveitar o momento para destacar especialmente duas coisas nesse post:

Primeiro que, a partir de hoje, as republicações do jornal digital Nexo serão semanais, às segundas-feiras, e não mais quinzenais como antes. Isso porque acreditamos na premissa do veículo e entendemos que as narrativas contextualizadas que ele oferece tem muito a ver com o que nós queremos ver mais e melhor por aqui. Infelizmente ainda somos pequenos pro tamanho dos nossos sonhos/objetivos, mas felizmente temos veículos parceiros que podem nos ajudar a falar sobre coisas que, se dependessem só da nossa capacidade/estrutura, não conseguiríamos. Para ajudar a manter isso de pé, assine. O Nexo não tem anúncios de publicidade. Vive exclusivamente da contribuição dos seus leitores.

Segundo que, um dos pilares mais importantes – talvez o mais importante – da nossa nova estratégia editorial é adotar uma voz mais propositiva e positiva na maneira como escolhemos e desenvolvemos nossas pautas. Abordando os problemas que os homens têm no dia a dia, mas tentando propor discussões benéficas, dando alternativas viáveis e apresentando exemplos positivos para além da visão crítica e pessimista da masculinidade (como chegamos a fazer muito ultimamente).

E é por isso que a pauta de hoje foi escolhida. Os homens estão sofrendo e precisamos falar sobre isso para encontrar soluções juntos.

Abaixo, uma série de dados apresentados nos belíssimos gráficos que a equipe do Nexo produz vão dar conta de que nós, homens, até somos menos ansiosos e depressivos do que as mulheres em geral, mas vivemos no país mais ansioso e depressivo do continente mais ansioso e depressivo do mundo.

Mais abaixo ainda, uma caixa de comentários inteirinha, aberta, esperando ansiosamente pela sua participação, sobretudo se você puder nos ajudar a responder às questões:

O que te deixa ansioso e triste hoje em dia?

E o que você tem feito para tornar-se menos ansioso e triste?

***

 

Fonte: Global Burden of Disease Study, 2015 - OMS (Organização Mundial da Saúde).