abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

sábado, 25 de março de 2017

Os paradoxos e os mitos do amor romântico


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
25 de mar de 2017 08:47

Quando se fala em amor romântico, normalmente se adiciona uma nota de cor que mostra como tudo é maravilhoso. Geralmente falamos sobre os benefícios de ter um parceiro, como é bom ser amado e compreendido. É claro que o amor romântico tem efeitos positivos sobre a pessoa e para a sua vida em sociedade, mas também precisamos levar em conta uma série de perdas para qualquer um que está em um relacionamento deste tipo.

Atualmente o amor romântico é vivido de uma forma que impede que a pessoa tenha outros relacionamentos íntimos (embora não sejam relacionamentos amorosos). Além disso, ela perde a autonomia, a independência e a liberdade pessoal. Por outro lado, surgem as discussões e o ciúmes, ou a percepção de que o outro não está tão envolvido no relacionamento quanto você. Isto pode destruir o vínculo entre o casal.

   "Quando duas pessoas estão sob a influência da mais violenta, insana, enganosa e passageira das paixões, são obrigadas a jurar que continuarão naquele estado excitado, anormal e tresloucado até que a morte as separe".
– George Bernard Shaw –

Os paradoxos do amor romântico

 

O fato é que o amor romântico, da forma como o entendemos na nossa sociedade, está cheio de paradoxos. Estas contradições criam uma tensão considerável.

– Desejo e posse: o fato é que todo desejo – não somente o desejo sexual -, desaparece uma vez que tenha sido satisfeito. Ou seja, podemos desfrutar do outro mesmo que não haja desejo, que é um dos motores da paixão. Quando encontramos obstáculos para consumar esse desejo romântico, a paixão aumenta, enquanto diminui se conseguimos consumar facilmente.

– Altruísmo com o parceiro e egoísmo biológico: socialmente somos ensinados que precisamos ser altruístas com o parceiro, que nos sacrifiquemos pelo outro e nos entreguemos completamente. Isso se choca com os mecanismos evolutivos que incidem sobre a busca do prazer e a maximização das probabilidades de transmissão genética. Ou seja, com os nossos instintos.

– Idealização e realidade: a idealização da outra pessoa é um dos pilares do amor romântico, uma vez que representa a fonte das expectativas da paixão e do desejo de intimidade. O fato é que à medida que o relacionamento vai se consolidando, essa idealização desaparece porque já conhecemos a realidade da outra pessoa.

– Paixão e convivência: é uma das contradições mais conflituosos, porque depois de um tempo convivendo com a mesma pessoa, a paixão diminui gradualmente. Mas as normas socioculturais nos dizem que precisamos formar um casal estável quando sentimos paixão, e que ela deve durar ao longo dos anos.

– Compromisso e independência: as pessoas querem segurança. Buscamos um compromisso de unidade e apoio e queremos exclusividade. Mas, ao mesmo tempo, queremos ser autônomos e livres, de forma que a nossa independência seja mantida. Como podemos imaginar, combinar as duas necessidades é muito difícil e influencia diretamente a satisfação com o relacionamento amoroso

– A fidelidade e o desejo de novidades: os seres humanos têm impulsos que os guiam em direção ao novo, mesmo que seja proibido. Ou seja, até a infidelidade. Ao longo do tempo, somos atraídos por outras pessoas e isto fere diretamente a norma social de exclusividade sexual para o resto da vida. Esta regra é inteiramente cultural, uma vez que não acontece em outras espécies animais e nem em todas as sociedades humanas.

"Nem com você e nem sem você

os meus sofrimentos têm cura.

Porque você me mata,

 e sem você eu morro".

 – Antonio Machado –

Os mitos do amor romântico

Além desses paradoxos, o amor romântico envolve uma série de mitos. Estas crenças derivam do legado cultural da nossa sociedade e podem ser absurdas, falsas ou impossíveis. Elas se transformaram em crenças muitos difíceis de serem realizadas devido aos nossos fatores biológicos, psicológicos e sociais.

– O mito da metade da laranja: a crença de que o nosso parceiro é o único e é a melhor escolha possível. É o companheiro ou a companheira que foi predestinado para nós.

– O mito de exclusividade: a crença de que só podemos sentir amor romântico por uma única pessoa.

– O mito da convivência: a crença de que uma relação de amor romântico tem que resultar em uma união estável de casal.

– O mito da onipotência: a crença de que os obstáculos não vão separar o casal, porque o amor "pode tudo".

– O mito da durabilidade: a crença de que a paixão do princípio deve durar para sempre, apesar da convivência.

– O mito da fidelidade: a crença de que o parceiro deve atender a todos os seus desejos.

– O mito do livre arbítrio: é a crença de que os fatores sociológicos, biológicos e culturais não influenciam os nossos sentimentos amorosos.

– O mito da equivalência: a crença de que, se alguém não estiver loucamente apaixonado, é porque já não ama o seu parceiro.

– O mito do casamento: a crença de que ao longo da história da espécie humana, tendemos a formar casais por natureza.

– O mito dos ciúmes: a crença de que quem ama verdadeiramente sente ciúmes.

O fato é que o amor romântico pode produzir uma série de efeitos negativos. Esses paradoxos e mitos podem estar integrados nos nossos relacionamentos, de forma que causem problemas entre os casais, que podem variar de discussões e desconfortos passageiros para outros problemas mais dramáticos.

É óbvio que o amor correspondido pode ser um dos alicerces da nossa felicidade e saúde. Além disso, se esse amor não for correspondido, falta ou sofremos um abandono, pode trazer muitas consequências prejudiciais para nós. Portanto, é interessante e importante conhecer e trabalhar no casamento tanto os paradoxos quanto os mitos do amor romântico.

Imagem de capa: Shutterstock/Orla

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE E MARAVILHOSA

 

O post Os paradoxos e os mitos do amor romântico apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.