abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

sexta-feira, 31 de março de 2017

Todos parecem mais felizes do que você – não confie no que os olhos vêem




Ana está criando algo incrível na cozinha e bebendo um vinho da África do Sul. Rodrigo viaja por Portugal. Carol relembra ter subido um pico sinistro que eu tenho medo até de tentar pronunciar o nome. Josiane celebra o amor pelo filho. Léo exibe a neve no velho continente. Elô o pôr do sol na Tailândia. Francisco capta o detalhe arquitetônico com olhar de artista e precisão cirúrgica. Mariana acaba de voltar da corrida.

Eu e pilha de roupa. Eu e a olheira. Eu e o trânsito. Eu e o caos. Eu e a coluna. Eu e a solidão surreal que se apossa de mim. Eu e a sensação de ser mais infeliz do que todo mundo no mundo.

Parecia mais fácil de viver quando a gente simplesmente olhava em volta. Ao redor, todos estávamos no mesmo barco. Um aceno para a calçada e lá vai a Júlia pra faculdade. Chego no bar e, olha só, gerente-do-banco-amigo-engomado comendo hambúrguer com Coca Diet. Mal consigo andar e, oi, Morgana, onde é que você vai tão linda? O mundo analógico parecia menos dolorido.

Agora, não bastasse levarmos o trabalho no bolso, a gente ainda carrega no aparelho que era só pra facilitar a comunicação entre seres humanos uma porta entreaberta para a frustração. Ia só dar uma espiadinha e pronto: escancara na sua cara que a sua parece ser a vida mais infeliz do mundo. Bem ali entre o mediano e o medíocre.

Eu trabalhando feito louca, o outro curtindo uma viagem internacional. Eu sem ânimo pra recolher a roupa que está jubilando no varal, os amigos falando sobre a maravilhosa sensação de sair da academia. A rotina me corroendo, o cara que se formou na mesma turma somando prêmios. O aluguel pra vencer, a conhecida sustentando a família e ainda comendo sushi.

Todos parecem mais felizes que eu. Todos parecem mais felizes que você. Todos parecem infinitamente mais felizes que eles mesmos. Assim como eu, assim como você.

Acontece que comparar a vida real com a versão que postamos nas redes sociais é simplesmente injusto. Porque na internet tem filtro, trending topics. É como se a gente assumisse o claquete da direção e pudesse apontar qual é o melhor ângulo. Como se desse pra gravar de novo e de novo e de novo. E, assim como no cinema, quanto mais ensaiado e exaustivo, mais parecido com a vida real.

No Instagram, tenho milhares de amigos, só como em restaurantes incríveis, vou a shows constantemente, moro no mais organizado e criativo lar, sou uma empreendedora sem dias ruins. Tenho certeza que a sua vida também parece sensacional. E mais: que tem alguém neste exato momento sofrendo por não ter a vida que você mostra ter.

Aí eu me pergunto: será que um dia a gente vai aprender a não se frustrar por sermos exatamente quem somos? Ou vai chegar o tempo em que vamos entender que a felicidade está nos momentos em que estamos sem wi-fi? Talvez exista o dia em que consigamos encarar com naturalidade que a vida que a gente posta é só uma pílula daquela que gostaríamos de ter. E o outro também. E tá tudo bem. Estamos todos bem. Ou sou eu que estou mal?