abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

sábado, 11 de março de 2017

Uma releitura (tentativa) do que tão bem diz Nando Reis…



Com o rolar dos anos as palavras de Nando Reis vão fazendo cada vez mais sentido. Principalmente quando ele fala em adaptação.

Nos anos que passaram, enquanto nós dormíamos. Em querer bem e ser esquecido. Em falar sem ser ouvido. Em não escutar o que tentam nos dizer. Em não se ter mais a "cara" que se tinha antigamente e não reconhecer a atual em um espelho.

E não é que ele tem razão também quando diz que quando a gente se toca dessa inadaptação, passamos a achar tudo tão estranho?

E daí na playlist da vida, quando a canção termina e começa outra, ele vem com aquela voz um tanto quanto rouca, me dizer que: vivemos atrasados, esperando que ainda dê tempo, de dizer que estamos errados e que entendemos. Que as nossas queixas são justificáveis (plausíveis, no mínimo). E que a falta que fazemos para muitos (aqueles que amamos), nesta semana, é como coisas que pareceriam óbvias, até mesmo para uma criança.

E ele nos faz questionar por onde andamos, no mesmo tempo em que somos procurados. E que nem nós ao mesmo sabemos o que nos faltava. E relembra (sem necessidade), tudo aquilo que se faz ausente e que na correria nem nos damos conta.

Segundo Nando, a falta é a morte da esperança. Compara ainda com seu carro, que o dia em que foi roubado, deixou uma lembrança.

Explica que a vida é mesmo frágil (reforço ainda, que como um cristal, quando quebra, não volta a ser como era). Mas tudo isso pode ser uma bobagem, uma irrelevância, "diante da eternidade do amor de quem se ama". Mas fica sempre no ar: por onde andávamos enquanto éramos procurados? Quem sabe por aí, desviando de roupas e sentimentos pendurados?

E que não só ele, mas todos nós, deixemos de mentir. Que abandonemos os espinhos que nos causam dor, e que o inferno que nos atraiu seja ofuscado. Que saibamos nos despedir dos cegos do castelo (e de tudo que nos faz mais mal que bem), e que sigamos nossos destinos. A pé (ou da forma que for), até encontrarmos, um caminho, um lugar, para o que somos.

E que se o sono não vir, que fiquemos de olhos abertos, já que o sol nos esquentará sem que esperemos que um revólver venha explodir, pois em nossa testa se anunciou e, a pé a fé devagar, foge o destino do azar, que restou. Que sejamos olhados por quem possa e quem queira nos achar, e que este alguém, nos traga seu lar. Já que nós (como sempre fizemos), cuidaremos dele, e do jardim, do jantar, do céu e do mar. De quem estiver ao nosso lado, sem esquecermos de nós mesmos.

E mediante tantas incertezas, ele nos lança mais uma, que um tal de segundo sol irá chegar, mesmo que tantos dias sejam para nós muito mais cinzas que deveriam.

E que nessa chegada, conforme o poeta, a órbita dos planetas (e da confusão dos distintos universos que cada um de nós carrega consigo), será, finalmente, realinhada, derrubando o assombro exemplar, do que os astrônomos diriam se tratar de um outro cometa (ou de um outro turbilhão de monstros que nos atormentam).

E que brindemos as conversões da vida. E que a vida nos contemple em duplicidade com muita luz, oriunda de um ou dois sóis, em dias em que ela ardia, de maneira simples, sem explicação.

The post Uma releitura (tentativa) do que tão bem diz Nando Reis… appeared first on .