abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

domingo, 23 de abril de 2017

Nós, os esquisitos


Psicologias do Brasil – Psicologias do Brasil
19 de abr de 2017 16:53

Por Mari Rivas

Depois de muito tempo sem assistir televisão, neste último fim de semana vi o final da Champions League por um link de um canal brasileiro. Foi divertido. E durante o intervalo observei que a publicidade e o padrão de felicidade dos brasileiros estão totalmente associados aos estereótipos dos comerciais de cerveja. Pessoas descomplicadas, sem papo cabeça, gente bonita, malhada, praia, azaração.

Gostou deste cenário? Que bom, pois eu não.

Ando com a sensação de que as pessoas estão fazendo suas escolhas pessoais como se estivessem sobre as normas de algum padrão FIFA. E com base no que exatamente? Me parece que existe um padrão comum de qualidade. Algumas pessoas são tão iguais umas as outras que parece que saíram de máquinas que formam personalidades, aparências e ambições iguais. É até involuntário. E quem sofre as consequências são também os nossos relacionamentos que se transformaram em grandes clichês. Você gosta da mesma banda que eu, temos o mesmo estilo, sou linda, você é lindo UAU fomos feitos um para o outro.

Infelizmente é assim que a cabeça da maioria das pessoas funciona.

Mas se você não fala "o meu tipo é esse ou aquele" , se você não está sempre procurando por um modelo que te agrada, mas sim por alguém que te surpreenda, se você já ouviu inúmeras vezes "Mas o que você viu nele/nela?" , parabéns, nós somos os esquisitos. Nós apreciamos aquele senso de humor esperto, aquela esquisitice charmosa e aquilo que nem você sabe o que é, mas que te encanta e que te deixa cada dia mais curioso.

A loira gostosa e o surfista sarado dos comerciais estão por ai. Aliás, o Brasil está cheio deles, basta dar uma olhada no seu Instagram. Se é isso que você quer, vai fundo, numa boa mesmo, sem julgamentos. Porque não deve ser fácil alcançar esse objetivo cujo o padrão é tão cruel, eu imagino.

Os esquisitos são mais observadores e enxergam as pessoas sempre de uma forma diferente. Os esquisitos tem paqueras e ex namorados(as) totalmente diferentes um do outro, porque não foi a casca que nos atraiu primeiramente, foi algo fascinante que só nós mesmos conseguimos enxergar. É verdade que é muito mais fácil e comum nos interessarmos por alguém do nosso círculo de amizades e de convivência. Se aquela música te agrada e agrada também a outra pessoa, as chances de vocês terem mais coisas em comum são enormes. Mas será que muitas vezes as pessoas julgam as outras antecipadamente por motivos banais? Será que é por isso que tantos casais estão terminando seus relacionamentos? Por terem acreditado num clichê de felicidade do comercial da margarina? Quando foi a ultima vez que você saiu com alguém realmente inquietante?

Eu usei este espaço para mais uma vez injetar uma reflexão sobre os tipos de prioridades nos relacionamentos da nossa sociedade e também para defender um pouquinho aqueles que teimosamente continuam pensando fora da caixa.

E você? Quer alguém que seja perfeito ou alguém que te faça feliz?

Imagem de capa: Shutterstock/frankie's

TEXTO ORIGINAL DE OBVIOUS

O post Nós, os esquisitos apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.