abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

sábado, 15 de abril de 2017

O impacto dos hábitos sobre nós


Psicologias do Brasil – Liduína Benigno Xavier
13 de abr de 2017 17:37

Da hora em que acordamos até o momento de dormir, os dias deslizam por meio de ações que vão definindo nossos modos de ser e viver. É fato. A rotina de muitos de nós está tomada por hábitos que se instalaram e automatizaram. Daí ser impossível ignorar a importância da formação de hábitos que acabam definindo destinos.

Não foi por acaso que o psicólogo William James disse: 'nossa vida não é nada além de uma massa de hábitos'.

A questão é que nem sempre essas ações nascem de decisão consciente e autodeterminada. Existem hábitos que surgem sem que saibamos suas razões e efeitos. Hábitos cegos e rígidos que minam a capacidade criativa e que poderiam ser substituídos por modelos de ação mais eficazes.

Os neurocientistas afirmam que os hábitos mudam o cérebro, pois podem torná-lo mais ou menos eficiente. A explicação é que os hábitos se instalam como resultado da busca do cérebro por caminhos mais fáceis de funcionamento.

Entender a explicação da Neurociência é simples. Como os atos muito repetidos são reproduzidos mais facilmente, consumindo, portanto, menos esforço mental, o cérebro acaba transformando esses atos em automatismos.

O interesse pelos impactos da formação de hábitos, entretanto, não está restrito à Neurociência e é antigo.

Os mesopotâmicos e egípcios atribuíam forte peso ao hábito como fator de prosperidade e estabilidade social. Os gregos atribuíam valor capital aos hábitos, por essa razão, quando queriam destruir inimigos, pediam aos deuses que eles desenvolvessem maus hábitos.

Ainda entre os gregos, Aristóteles destacou-se pela busca de maior compreensão do papel dos hábitos para uma vida bem-sucedida. Para o filósofo grego, o hábito nasce do compromisso consciente para agir de determinada maneira. Segundo sua visão, cuidar dos hábitos pode nos levar a moderar impulsos que podem ocasionar vícios.

Os filósofos Blaise Pascal e David Hume também investigaram a formação e o papel do hábito para uma vida eficiente. Segundo eles, a repetição dos atos traz estabilidade ao comportamento, uma vez que o automatismo reduz o esforço e torna a ação mais agradável. Pode-se notar que eles não perceberam (como os neurocientistas o fizeram) que a comodidade não é totalmente benéfica à inteligência.

Todas essas visões trazem informações valiosas que contribuem para a compreensão e autoconsciência do impacto dos hábitos no estilo de pensar e nos modelos de ação que adotamos. Hoje é unânime a percepção de que, determinismos à parte, os hábitos causam impactos contundentes, podendo beneficiar ou trazer malefícios à realização de propósitos caros.

Não se trata de negar a capacidade dos hábitos de darem estabilidade à existência e facilitar ações corriqueiras de caráter pragmático. Mas nem tudo é rotina e muitos problemas e desafios pedem formas inéditas de pensar e agir.

Entretanto, às vezes, parece que ficamos presos na profusão de hábitos que vamos adotando como rituais imutáveis e seguimos uma rotina medíocre, esquecidos de que ser eficaz e criativo exige trocar a rigidez rotineira, própria da ação irrefletida que leva à imutabilidade, pela autoconsciência que permite ação criativa e transformadora.

Os psicólogos chamam à rigidez dos modos de agir e operar a realidade de fixação funcional. Quando ela se instala, nossos atos ficam imersos em padrões ineficientes de ação. Nesse quadro, há o rebaixamento da capacidade criativa, pois esta se alimenta da abertura à experimentação, da curiosidade propícia ao aguçamento perceptivo que, por sua vez, favorece julgamentos mais ricos e perspicazes.

Rotina e criatividade não são irreconciliáveis, mas precisamos de um modo de vida com hábitos que ajudem a dar estabilidade à existência, sem tolher o espaço para a novidade e a experimentação. Todo projeto pessoal de autorrealização pressupõe autodeterminação e ação deliberada, que só podem ser fomentadas por meio da ação refletida e da elevação da autoconsciência pelo exame constante de nosso modo de agir, aí incluídos os nossos hábitos.

Imagem de capa: Shutterstock/Arman Zhenikeyev

O post O impacto dos hábitos sobre nós apareceu primeiro em Psicologias do Brasil.