abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

domingo, 21 de maio de 2017

Dar e receber


CONTI outra – Helena Cecília de Fraga Verhagen
20 de mai de 2017 17:19

Imagem de capa:  Grassmemo/shutterstock

Segunda-feira eu estava no meu trabalho de voluntariado do Refood (que consiste em pegar "sobras" de comidas de restaurantes, cafés e supermercados, organizar e distribuir refeições completas para famílias necessitadas, mendigos, velhinhos e etc).

Eu estava no estande de distribuição, em meio a uma praça, cumprindo minha tarefa: separar em caixas os tupperwares entre limpos e sujos.

Uma senhora que busca diariamente comida conosco chegou mais tarde que de costume e estava lamentando que só haviam comidas duras (como maçãs e pães tipo italianos) porque seus dentes estavam doendo muito.

Minhas colegas saíram do estande para o depósito para checar se haviam comidas mais moles. A senhora continuava a falar sozinha… reclamava e lamentando sua vida, chorava dizendo tudo o que estava sentindo. Eu, a ouvia enquanto cumpria minha tarefa, até que dada hora, saí de trás da mesa e disse:

– Dona Pilar, venha aqui, a senhora precisa de um abraço. Me abrace como se eu fosse sua filha que está na França. Me abrace como se eu fosse sua mãe falecida. Me abrace como se eu fosse o amor da sua vida.

Nos abraçamos e lhe dei um beijo estalado na bochecha. Neste instante as meninas chegaram com as sopas que haviam acabado de chegar. Dona Pilar agradeceu-nos e me fez bem pensar que saiu pelo menos se sentindo mais acolhida do que quando chegou. Eu também saí melhor do que quando cheguei lá.

Dois dias depois, eu estava na maior confusão. No meio da rua, três coisas "deram erradas" seguidamente. Sentei-me em um canto de uma calçada, na frente de uma loja e comecei a "desabafar" escrevendo no notes do meu celular. Comecei a chorar… chorava escrevendo. Escrevia chorando. Reclamando. Questionando. Sofrendo e verbalizando para mim mesma na tela do celular. Até que um moço barbudo se agachou na minha frente, tocou na minha perna e me disse:

– Você está bem?

– Sim, está tudo bem, obrigada. – respondi eu com os olhos inundados de lágrimas e provavelmente meu nariz classicamente vermelho.

– Você está chorando, sentada na calçada. Claro que não está bem, vem comigo! Eu te pago um café! – se levantou me estendendo suas mãos e me ajudou a sair da rua e do meu inferno interno.

Naquele momento, aquele rapaz, chamado Pedro, me trouxe imediatamente para "o aqui e agora". Me senti miserável. Fiquei com vergonha. Patética. Chorona. Lhe pedi desculpas. O nosso café foi uma grande terapia que acabou virando almoço… Saí do tufão interno e atordoante que me desgastava e vi luz e alegria no caminho.

Só hoje que me dei conta: salvei dona Pilar e no dia seguinte fui salva pelo Pedro. O universo é rápido. É sábio. Reconheça sempre a beleza, faça sempre o seu melhor. Tudo veeeem! Como diria a música-mantra Ananda de Deva e Miten "Não lute com a vida e a vida simplesmente se encarrega de te ajudar".

The post Dar e receber appeared first on CONTI outra.