abril acabar acontecer admin afirmo agosto agradecer ah ai ajuda alegria algua alguma alheia almeida ama amar amor ansiedade aonica apegue-se appeared aprenda aprendendo aprender aproveite assunto ata banalizar boas ca cabe caminho capacidade capazes cicatrizes cintia coisas comeasso confianassa coraassapso coragem costas criar cuidado deixa deixar deixe delas depressapso desejo despedida desperte deus devemos dezembro dias dinheiro disposto doaassapso dor ego enfim ensina entapso errado erros escolhas escolher espinho espinhos espiritual esponja estamos estapso esteja estiver estresse existe existem existir fa faassa falando felicidade feliz felizes fev fevereiro ficar filtro fique first fiz flor forassa forte fosse frases frente fundo gente gilson gosta gostaria gratidapso ha heranassa idade importa importante ir iria ja jago jamais janeiro jesus julgamentos julho juliana junho juntas junto juntos la leia lhe liberdade lindas livre lo ma maio maneiras mantra mantras marasso medo melhor melhores mensagens mente mesmo mestre mim morte motivaassapso muda mudar mulheres mundo negatividade ningua nishiyama novembro olha olhar on oraassapso ouassa outubro ouvir pai palavras parede participar passa paz pensa pensamentos perdemos perguntas permanecer pertinvolzes pessoa pessoas pior post postado postagens pra precisa pria prio problemas provavelmente qualquer queira questaues quiser raiva real realmente refletir reflexapso relaassaues relacionamento relacionamentos respostas reze ria rias rio sa saber saiba seja sejam sejamos seletivos sentimento sentimentos sentir sera setembro sexo si simpatia sinais solidapso sozinho sucesso supere tamanho tamba tempo tenha the tipo toma torna total tra tristeza trofa universo utilidade valorizar vamos veja velho veneno verdade verdadeiro vida vive viver vontade vou

domingo, 7 de janeiro de 2018

Sentir-se mal sem sentir-se culpado


A mente é maravilhosa – Marli Guári
7 Jan 2018 05:34

Como seria maravilhoso poder deixar de sorrir quando não sentimos vontade; dizer ao mundo que hoje não queremos sair e que não queremos companhia; que escolhemos ficar sozinhos ou, melhor do que isso, que preferimos apenas a nossa própria companhia. Eu gostaria que fosse fácil dizer tudo isso sem sentir esse nó na garganta e essa sensação estranha no estômago. Definitivamente, seria maravilhoso pode dizer isso sem sentir-se mal.

Seria muito bom se os outros aceitassem o que queremos em cada momento da vida e retornassem somente quando o cartaz de "aberto" estivesse na porta. Sem queixas e sem censuras. Às vezes precisamos nos recolher para dentro de nós mesmos para recuperarmos as forças e voltarmos renovados.

Os dias difíceis também são necessários, especialmente para aprendermos a valorizar aqueles dias melhores. A magia do contraste pode nos ensinar muito se prestarmos atenção. Porque não é suficiente saber que as rosas têm espinhos e que eles precisam ser removidos, também é necessário aprender onde estão e como agir para que eles não nos machuquem.

Talvez estejamos desanimados, desmotivados e pensamos em não fazer nada para ocupar o nosso tempo. Mas é importante aprender que depois da tempestade, a calma geralmente vem. O problema é que nem tudo acontece da forma como gostaríamos.

Mulher triste chorando

Sentir-se mal e culpado por experimentar desconforto

Sentir-se mal é mais comum do que imaginamos. Nem tudo na vida é perfeito. O que acontece é que a sociedade não nos permite mostrar o nosso descontentamento. Na verdade, isso implica de algum modo em nos sentirmos culpados pelos julgamentos e opiniões das pessoas que nos rodeiam.

Se você estiver triste e contar para os demais, eles o fazem se sentir como um "bicho raro". Alguns o veem como um inválido, outros parecem desprezá-lo e outros se sentem penalizados e se apressam para ajudá-lo a se animar… Parece que tolerar o desconforto dos outros não é tão fácil, nem tão confortável, e é preciso escondê-lo, isolá-lo ou até mesmo ignorá-lo.

Talvez o desconforto dos outros nos lembre de que também não estamos felizes; e diante de uma sociedade que pune de alguma forma a expressão desse descontentamento, não é tão fácil aceitá-lo.

Não devemos escondê-lo ou, pelo menos, não devemos nos sentir culpados se o experimentarmos. É a lei da vida. Existem dias ruins e não tem problema se forem pontuais. Eles não machucam tanto quanto parece. A sua presença apenas indica que precisamos de algo, por isso é muito importante ouvi-lo.

É muito difícil agir de forma diferente de como nos sentimos interiormente, mostrar uma imagem falsa e desenhar um sorriso que não nasce de dentro. Expressar o nosso desconforto nos ajudará a liberá-lo. Se aceitarmos que isso é necessário, não nos sentiremos culpados.

O melhor refúgio: nós mesmos

Para os dias ruins, o melhor refúgio é aquele que podemos proporcionar a nós mesmos: esse espaço de solidão, mas ao mesmo tempo de acolhimento, onde podemos desabafar sem nos sentirmos culpados. Porque de alguma forma estamos aqui para aprender a viver melhor.

Nesse lugar, podemos nos permitir um momento de recolhimento e perceberemos o que aconteceu com a nossa energia, com a nossa luz interior. Dessa forma, poderemos corrigir o que nos incomoda e voltar a ser feliz. Podemos voltar a esse refúgio sempre que precisarmos e podemos também colocar um cartaz na porta: fechado para férias, fechado para reforma, recarregando as baterias…

Mulher em meio à natureza

O nosso refúgio é o lugar perfeito para ouvirmos os gritos das nossas emoções. Aquelas que estão lá, aguardando a nossa atenção com o pretexto de serem ouvidas. Porque é inútil viver no "piloto automático", já que em algum momento o nível de alarme vai soar e, talvez nesse momento, seja mais difícil fazer os ajustes necessários.

Nós somos o nosso próprio refúgio, o apoio que nos levanta e o abraço que nos envolve. Somos o espaço ideal para deixar o desconforto fluir com a única intenção de senti-lo e compreendê-lo. É necessário dedicarmos um tempo a nós mesmos e não podemos nos sentir culpados por isso.

Deixe que o mundo continue girando "lá fora", porque poderemos voltar quando tivermos forças suficientes, sem pressão e sem exigências…

The post Sentir-se mal sem sentir-se culpado appeared first on A mente é maravilhosa.